domingo, 6 de março de 2016

O Homem Duplicado (Enemy, 2014)

Se você não entendeu nada e quando chegou no final viajou em várias teorias... Bingo! Você está no caminho certo, mas se você chegou ao final do filme sem entender nada e não quis entender... Bem, me desculpe, mas este não é um filme para quem tem preguiça de pensar! 



Adaptação do livro homônimo de José Saramago, publicado em 2002. Eis um filme que precisa ser visto e revisto para compreende-lo bem, e melhor, um filme para ser divulgado, é um dos melhores filme que eu já vi na vida. Cinema de qualidade! Para quem gosta de filme todo explicadinho e com uma narrativa linear, passe longe deste aqui, pois ele veio para contar uma história simples de maneira fantástica, complexa e nada convencional. Muitas metáforas são apresentadas ao longo do filme e ele se desenvolve muito bem, nada está lá por acaso, o filme conta sua história e tudo que aparece nele faz todo sentido, deixando várias pistas para o expectador mais atento. Seu desfecho não deixa pontas, porém deixa alguma coisa para a interpretação do espectador e fecha de maneira "WTF??", fecha bem e merece aplausos.



Adam Bell (Jake Gyllenhaal), um professor que tem uma vida aparentemente tranquila e uma namorada, porém sua vida muda completamente quando depois de assistir um filme descobre que existe um ator que é idêntico a ele, cujo nome é Anthony e possui uma vida completamente diferente da de Adam. Então ele vai procurá-lo e o filme vai deixando o espectador pirado, mais do que se pode imaginar. 

A fotografia amarelada, a cinematografia esfumaçada e o clima melancólico com a trilha sonora perfeita, reflete exatamente as dúvidas e o desconforto do personagem Adam. Jake Gyllenhaal é brilhante em suas interpretações. Seu personagem nos dá dicas de como decifrar o enigma maior. E quando a gente passa a entender o filme, percebe o quanto esse diretor foi genial. Denis Villeneuve diretor do também maravilhoso, "Os Suspeitos" de 2014. Aqui ele faz um trabalho mais complexo e muito inteligente, ele usa enquadramentos e cortes significativos para a trama e nos envolve com jogos de câmera que nos dão a sensação de passear pelo filme, ao mesmo tempo, a ideia de repetição, isso também tem um significado importante para o longa.



Aqui vai 2 dicas para quem viu, gostou, mas não entendeu muito bem: Assista novamente, o filme não é contado de forma linear, tudo nele ajuda a contar a história. E preste bem atenção em todos os diálogos, a participação de Isabella Rossellini é a chave para algumas respostas. Preste atenção nas aranhas para compreende-las, elas aparecem em momentos propícios para sua compreensão, a princípio parecem não dizer nada, mas quando percebemos o que elas significam, o filme fica ainda mais surpreendente.



Recomendo a todos que gostam de suspense psicológico, noir, e principalmente para quem gosta de filmes que nos faz pensar. Esse com certeza verei muitas vezes, pois ainda estou pensando nele. 






"O caos é uma ordem ainda não decifrada".