sexta-feira, 4 de março de 2016

Deuses do Egito (Gods of Egypt, 2016)

Um bom roteiro... 
Mas quem liga? O filme baseado na mitologia egípcia, diverte dentro do possível, é muito CGi para um épico só, e os diálogos são rasos (dizer que é clichê, seria elogiar), algo como: "Você está parecendo um pirata!"... Jura?? 



Na sinopse, Bek é um mortal que vive em um Egito ancestral dominado por deuses e forças ocultas. Quando Set, deus da escuridão, toma o trono da nação e mergulha a sociedade no caos, o jovem se unirá com o poderoso deus Horus, para formar uma expressiva resistência.


Jamie Lannister Vesus Rei Leônidas, na mão é bom, mas quando entra o CGi... Algumas vezes tive a impressão que a imagem ficou borrada, é brilho demais para os meus olhos, o longa parece um grande game, tem muito slow motion à lá 300, mas não é tão bom, o figurino é de novela, e as interpretações são bem fracas. 


Nikolaj Coster-Waldau se esforça, Gerard Butler se esforça, Chadwick Boseman... Não entendi a que veio. São muitas caras e bocas, um elenco muito bom e desperdiçado. O diretor é Alex Proyas, de O Corvo (aquele com Brando Lee), e estou até agora tentando entender o que houve com a edição final deste filme. Alguém aí lembra do remake do Fúria de Titãs? Pois é, neste nível, talvez mais carregado nos efeitos visuais. 

Mas aqui temos o lado bom de tudo isso, o roteiro é bacana, segue uma linha de raciocínio mesmo que totalmente previsível, mas é o que realmente salva. No geral, é um cinema pipoca bem razoável. Tem boas cenas, algumas até prendem a atenção. Pra quem gosta de filme de ação e quer só se divertir um pouco, eu recomendo. Mas eu esperava muito mais.