sábado, 5 de março de 2016

O Presente (The Gift, 2015)

Sabe aquele filme que quando começa você já sabe como termina? Pois é, só que neste aqui você se engana. 
O filme é roteirizado, dirigido, e para completar a minha alegria, tem a fantástica atuação de Joel Edgerton. Quanto mais o vejo em cena, mais eu gosto dele.




Simon (Jason Bateman) e Robyn (Rebecca Hall) acabaram de comprar uma casa quando Gordo (Joel Edgerton), amigo dos tempos de escola de Simon, o reencontra e passa a fazer visitas e a levar presentes a sua nova casa. Com o passar do tempo as constantes visitas começam a incomodar e a interferir na vida do casal.


O filme é um thriller psicológico começa bem devagar quase parando, mas a medida que a trama avança, mistérios e segredos vão se revelando nos trazendo a grata surpresa de um roteiro interessante e funciona muito bem. Jason Bateman não é um ator que eu goste muito, mas aqui ele faz um ótimo trabalho, me surpreendeu. O trio principal é excelente, a química entre eles é muito boa, atuações convincentes e marcantes. 

O longa tem uma fotografia muito bonita e enquadramentos amplos e a iluminação é clara. Para um up no suspense do filme eu levei dois sustos, com 2 jumpscares que eu não esperava, e deu um toque especial, no momento certo. Para mim, foram atrativos de um diretor que sabe bem o que 
está fazendo.

The Gift é um filme que não mostra de cara a que veio, deixa uma dúvida boa, no inicio, parece meio lento, mas ao desenrolar da trama a gente fica grudado e apreensivo com cada novo momento revelado. Tem alguns erros bobos no roteiro ao longo do filme, e no final pequenos furos, mas nada que tire o brilho ou desmereça o belo trabalho do ator/diretor/roteirista. Um desfecho merecido.







Indico para quem gosta de um terror/suspense mais clássico independente de jumpscares ou efeitos visuais, mas sim, que valoriza atuação e roteiro.