sexta-feira, 20 de maio de 2016

X-Men: Apocalipse, 2016.

Dez anos após os acontecimento de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, a saga dos mutantes da FOX, veio para renovar este universo. Esqueça a primeira trilogia e embarque em uma nova realidade. Adaptado dos quadrinhos, criados pela Marvel, X-Men: Apocalipse é uma continuação muito bem elaborada do filme anterior, e é quase tão bom quanto. Eu digo o porquê e sem spoilers.


Primeiro eu preciso dizer que há duas semana atrás vimos Capitão América: Guerra Civil, foi um ótimo filme, mas não é por isso que ele deve se tornar padrão para filmes de super-heróis. Também é bom lembrar que se nós fossemos levar em consideração fidelidade com os quadrinhos, Guerra Civil, jamais seria considerado bom. Com isso quero dizer que não farei comparações.



No longa, En Sabah Nur é Apocalipse, o primeiro mutante que existiu, nascido há milhares de anos, era adorado por todos como um deus todo poderoso e que tinha seus discípulos, Os Quatro Cavaleiros. Ele ficou adormecido e agora despertou querendo de volta o mundo que ele deixou.

Para quem conhece os quadrinhos, este vilão poderia ter sido melhor aproveitado, sim deveria, porém está longe de ser comparado ao vilão púrpura Ooze de Power Rangers. a não ser pela cor (nem isso!). Mas o que incomoda em Apocalipse não é o visual "brega" do personagem, até porque o filme se passa nos anos 80, ser brega seria um acerto do figurino, (que aliás acertou bastante com todo elenco, mas a gente fala disso depois.) o que incomoda é a falta de criatividade dos seus diálogos, ele quer dominar o mundo. Mas... Do que se trata o filme? É a adaptação da história de um grupo de mutantes, heróis, com super poderes, que saiu dos quadrinhos criado na década de 80... Ah, sim! Você conhece Apocalipse? Eu vou te contar e isso não é spoilers, nos quadrinhos, Apocalipse quer dominar o mundo! Ou seja, o longa só está sendo fiel às motivações e justificativas do vilão. Resolvido este problema, vamos à analise.




O ótimo ator, Oscar Isaac, não encontrou o tom certo para dar vida a este super vilão, mas há pouco material para trabalhar, não deu para desenvolver bem, sinto esforço por parte dele, mas não deu, e ainda assim tem algumas cenas de arrepiar. Há também uma chuva de frases de efeitos previsíveis e carregadas de clichês de En Sabah Nur, que incomoda muita gente, mas isso não é um erro de roteiro, a justificativa está lá, no próprio filme, existe um porquê disto ser assim. Alguém prestou a atenção? Ele é repetitivo, sim é, ele repete o que Magneto já falou em outros filmes, Oh, puxa! Claro que sim, e isso é maravilhoso!!! E se você prestou a atenção no filme certamente entendeu porque. Não existem falhas aqui.



Jean Grey (Sophie Turner), Ciclope (Tye Sheridan) e Noturno (Kodi Smit-McPhee) são apresentados neste longa de maneira excelente, os jovens mutantes chegaram muito bem, no desenvolvimento de personagens são ótimos, são jovens se descobrindo, não tem muitas piadas sendo distribuídas, mas o alívio cômico funciona muito bem, e temos Mercúrio (Evan Peters) fazendo mas do mesmo só que melhor, e uma cena que é no mínimo muito curiosa, riquíssima em detalhes e que dura uma música inteira, bem dirigida, com enquadramentos e efeitos visuais muito bacanas. É perfeita. Os atores tem uma química ótima entre eles que me fez perder a noção do tempo. São boas atuações.
Magneto (Michael Fassbender), está mais dramático, está excelente, sua história e comovente, Fassbender é o Magneto certo para esta nova fase as cenas dele são as melhores, assim como o Professor Xavier (James McAvoy) que vem mais maduro e muito bem definido. Psylocke (Olivia Munn), é uma personagem forte, a atuação dessa atriz foi ótima, convincente e nós queremos ela de volta. Já não posso dizer o mesmo do Anjo (Ben Hardy) e da Tempestade (Alexandra Shipp), ambos estão muito bem caracterizados, tem um início bom mas suas participações foram tão pouco aproveitadas quanto a do Apocalipse. E Mística (Jennifer Lawrence), ela é uma peça importante da trama mas não é a estrela absoluta, embora eu também penso que ela fica muito tempo de "Jennifer Lawrence", desta vez foi diferente, ela está ótima, eu gostei assim como gosto do Wolverine de Hugh Jackman, são personagens diferentes dos quadrinhos (e eu gosto muito deles nos quadrinhos) só que isso não atrapalhou nadinha o desenvolvimento geral do filme, muito pelo contrário foi uma ótima contribuição.



O CGi do filme não é dos melhores, mas a abertura do longa é ótima, grandiosa, adorei. No segundo ato dá uma esfriada e os efeitos ficam visíveis demais, a cenografia e os efeitos visuais não estão em prefeita harmonia, mas não é assim tão ruim, tem cenas que são muito boas. E os efeitos sonoros são ótimos. O figurino é bacana e depois fica melhor, é o melhor figurino dessa nova fase dos mutantes.
A trilha sonora é boa e divertida com direito a Eurythmics. O ato final é maravilhoso, tudo funciona muito bem, primeiro temos cenas que fizeram as pessoas do cinema pararem de respirar, concentração total nas cenas de confronto e uma cena que o diretor me surpreendeu, depois de alguns atos previsíveis, algo fantástico aconteceu com enquadramentos sugestivos é o ponto alto do filme e pagou o ingresso, a pipoca, a bebida... Depois no desfecho, temos mais cenas memoráveis, daquelas que saltam dos quadrinhos direto para a tela do cinema, e não foi o 3D, que por falar nisso, não faz grande diferença.

Veja o trailer:

Então é isso, eu gostei demais, e recomendo, o filme é muito divertido, um filme de super-heróis, feito para os fãs dos X-Men do cinema e dos quadrinhos, feito para quem quer se divertir com qualidade, tem um bom roteiro que tem suas falhas, mas não é nada absurdo, não é complexo, mas também exige atenção, prende o espectador, e me deu vontade de ir de novo. Mas um ponto para os heróis da FOX, e que venha o próximo!




Vá ao cinema, assista seus heróis e não esqueça a cena pós-crédito.