domingo, 29 de maio de 2016

Alice Através do Espelho (Alice Through the Looking Glass, 2016)

Alice está de volta, neste longa ela fará de tudo para salvar seu amigo Chapeleiro, e enfrenta seu grande desafio: O Tempo. Com essa premissa o filme é um convite para mais uma aventura mágica e colorida do País das Maravilhas, mas novamente a produção carrega no GCi e esquece a história.




Johnny DeppMia WasikowskaSacha Baron CohenHelena Bonham Carter a princípio, trazem momentos engraçados, boas piadas num time perfeito. Conforme a trama vai avançando somos levados a pensar que alguns conceitos serão desenvolvidos. Andrew Scott faz uma breve participação que nos faz pensar que a história tomará um rumo diferente, mas não acontece. E é assim, que o roteiro deixa a desejar, confuso com muitos elementos que o torna previsível. Para quem gosta muito do primeiro filme, este pode agradar mas ainda assim se torna cansativo quando percebemos que algumas histórias surgem e desaparecem sem nenhum grande momento ou motivo para existir. A narrativa é confusa e superficial, só segura o expectador por uma ideia que se torna interessante, para não dizer que o filme é um total desperdício de tempo.





Os efeitos visuais são bons mas não superam o toque especial e sombrio de Tim Burton (que deixa saudade) e o 3D não funciona. O figurino e a maquiagem são sensacionais, mas na maior parte do tempo torna-se estranha pelo exagero. A trilha sonora é cativante, a direção de arte faz um trabalho incrível, é o ponto alto do filme e ficamos por aí. Os problemas começam quando lembramos de filmes que se parecem com este, só que muito melhor, como por exemplo, A Invenção de Hugo Cabret.




São 113 minutos de efeitos visuais e questões familiares que nunca se desenvolvem, apenas fechando com que é previsível e desinteressante, nenhum dos arcos tem motivações verdadeiras ou convincentes para existir com tantos problemas familiares,  é a  família de Alice, o ex-noivo de Alice, a família do Chapeleiro, a família das rainhas...  E no meio disso tudo ainda temos a volta da Anne Hathaway como a Rainha Branca, repetindo a pior interpretação de sua carreira. Por outro lado, para aliviar, temos Sacha Baron Cohen que é o melhor personagem da trama.




Alice Através do Espelho é só um filme infanto-juvenil, carregado nos efeitos visuais, possui alguns momentos que funcionam, mas não é o suficiente para surpreender. Sem novidades ficou bem distante da narrativa do primeiro filme, e tem o desfecho que não vai deixar saudades.



Veja o trailer: