sábado, 29 de outubro de 2016

Trolls, 2016.

A nova animação da DreamWorks é um show de cores vibrantes e músicas, com certeza vai animar a criançada, encantar os adultos e vender bonequinhos. 


Tronco (Justin Timberlake) parte para uma jornada de aventuras ao lado de Poppy (Anna Kendrick), para resgatar seus amigos aprisionados pelos vilões Bergens.

Trolls é fofo, colorido, dançante, divertido, a computação gráfica é irretocável, com texturas e formas que dá vontade de tocar, o roteiro e a narrativa são satisfatórios e tecnicamente tudo funciona bem, mas falta algo que torne a história inesquecível, apesar das mensagens de amor, felicidade e amizade, não há nada que vá além disso. 
A música como inspiração, gira no eixo da trama, a trilha sonora é linda, mas a versão dublada em português é a pior coisa que poderia acontecer (eu penso o mesmo sobre Happy Feet). 

Eu entendo que seja uma animação infantil, mas sinceramente, crianças não vão sozinhas ao cinema, e um dos pontos principais do filme são os hits. A versão em português, apesar da tradução ter chegado bem próximo das letras originais, é ruim para os ouvidos de quem esperava ouvir as versões originais. Apenas duas canções não foram transformadas para a versão nacional e ficaram muito melhor, então, por que não adotaram a mesma regra para todas as canções? Até as crianças que estavam comigo (entre 9 e 12 anos) reclamaram da falta de critério. Quem já está acostumado com esse tipo de animação dublada em português talvez não se incomode.

Assista ao trailer comentado por Justin Timberlake e Anna Kendrick:



O 3D é totalmente dispensável, eu mesmo cheguei a tirar os óculos algumas vezes para apreciar melhor as cores vivas da animação. Perto do inesquecível e surpreendente Shrek (que é dos mesmo criadores), Trolls é bom, a aventura é uma gracinha, e até os "vilões" são fofos e carismáticos, mas não há profundidade, não vai além do "o que importa é ser feliz (ou abraçar e dançar)", é apenas um delicioso passatempo, leve e ótimo para reunir a família para uma tarde agradável com as crianças.


Ah, e antes que eu me esqueça, há uma cena no meio dos créditos. Não saia correndo do cinema!