sábado, 10 de setembro de 2016

O Homem Nas Trevas (Don't Breathe, 2016)


Dirigido e roteirizado por Fede Alvarez e produzido por Sam Raimi (repetindo a dobradinha do remake de A Morte do Demônio), este filme é um grande acerto do gênero, rápido e objetivo, não é daquelas produções cheia de efeitos visuais e carregado de jumpscares, o filme tem sim, cenas de susto, mas todas são bem trabalhadas (eu me assustei com 2 de verdade). A trilha sonora é envolvente e os enquadramentos tem ângulos que nos transportam para trama de cara com os personagens e nos deixam na ponta da poltrona o filme inteiro.



Na sinopse, três adolescentes invadem casas para assaltar quando os donos não se encontram, eles sempre escaparam de seus roubos, todos perfeitamente planejados. Mas quando realizam seu último crime, assaltando a casa de um senhor cego, o jogo muda. O longa foge da previsibilidade, e nos surpreende conforme a história vai se desenrolando, e põe e xeque valores a ponto de pensarmos "para quem estamos torcendo a final?". 



O elenco também é uma grande surpresa, Stephen Lang está assustadoramente incrível na pele da não tão inofensiva vítima, eu classificaria como uma das melhores atuações do ano, e o trio de adolescentes Daniel Zovatto, Dylan Minnette e Jane Levy também estão muito bem, não ão desenvolvidos a ponto de cativarem o publico, mas todos tem bons momentos e convencem em seus personagens, mesmo quando um deles parecia ter exagerado em uma determinada cena, porém a tensão e a agilidade como as coisas acontecem no filme me fez esquecer rapidinho. O roteiro é bem amarrado, tem boas surpresas e mantem a tensão do início ao fim. Os clichês obrigatórios em filmes de suspense e terror também estão presentes e são bem aplicados quando necessários. Os pequenos deslizes da produção não são suficientes para tirar o brilho do longa.

Veja o trailer:



Don't Breathe, título original, que quer dizer "Não Respire", poderia ter sido mantido em português porque é exatamente isso que tentamos fazer durante o curto tempo de filme, são menos de 1 hora e 30 minutos de uma trama bem elaborada, tensa e não dá tempo de se tornar enfadonha. É um thriller que funciona muito bem, violento e assustador, a partir do momento em que entramos na casa, é de perder o fôlego. Com sua cinematografia eficiente, ângulos em closes interessantes o que aumenta a atmosfera claustrofóbica, a fotografia escura pode se tornar angustiante mas é precisa e faz o expectador se sentir na pele dos adolescentes de olhos arregalados desesperados para sair dali de qualquer maneira. Vale a pena conferir.