sexta-feira, 15 de abril de 2016

Mogli: O Menino Lobo (The Jungle Book, 2016)

Baseado no clássico "O Livro da Selva" do escritor britânico Rudyard Kipling, essa releitura da animação lançada em 1967, é moderna e nostálgica, o diretor Jon Favreau fez um excelente trabalho que resgata canções e cenas memoráveis, junto à tecnologia de maneira convincente sem exageros, e a Disney acerta mais uma vez dando um passo à frente na evolução cinematográfica. É impossível não se emocionar.


O longa conta a história do menino lobo que abandona a sua alcateia para voltar a suas origens junto ao homem, no caminho muitas descobertas e aventuras. É um show visual de cair o queixo, a floresta nos convence que é real, os animais que nela habitam são tão fofos e reais que dá para esquecer que são feitos através da computação gráfica, e os animais falantes são, até, perturbadoramente reais. O movimento nos lábios dos animais (o antropomorfismodá o toque natural preciso para se acreditar que eles realmente falam, e o processo de captura de movimentos vai além do que estamos acostumados, deixando levemente que se percebam os traços dos atores em seus respectivos personagens. Os mais perceptíveis é do urso Baloo, interpretado por Bill Murray e a pantera Bagheera, por Ben Kingsley. É surpreendente.


O menino Mogli, é o único humano, Neel Sethi, é fisicamente bem parecido com a versão animada pelos estúdios Disney, não é uma grande revelação, mas ele é um bom ator mirim que desenvolve bem a interação com os personagens e o mundo criado em CGi, que é extremamente realístico. Também no elenco, Giancarlo Esposito (o lobo Akela), Scarlett Johansson (a cobra Kaa), Idris Elba (o tigre Shere Khan)Lupita Nyong'o (a loba Raska) e Christopher Walken (o orangotango Rei Louie). Todos são excelentes, é um elenco perfeito.



Porém o longa tem lá seus problemas, em alguns momentos vemos claramente alguns defeitos de profundidade, um alto contraste quando o menino lobo caminha ao lados dos animais em plano aberto frontal, alguns enquadramentos deixa escapar que há uma falha na sincronia entre o ator e a imagens em movimento dos animais. Outro aspecto que me incomodou um pouco é que o filme oscila muito entre um tom leve e o mais obscuro, lembrando que este filme não é para crianças abaixo de 10 anos, em muitas cenas dá vontade de mostrá-lo aos pequenos, mas também tem cenas extremamente violentas e sombrias para crianças menores.


E pra finalizar, a trilha sonora é apaixonante, pois resgata a nostalgia dos que tiveram a animação Mogli, O Menino Lobo entre os seus preferidos na infância. As melodias inconfundíveis que nos dá aquela saudade boa, apenas estão lá para serem lembradas, pois são breves, deixam a gente querendo mais um pouquinho. Mas ao final do filme quando os créditos sobem temos mais uma grata surpresa na voz exuberante da linda Scarlett Johansson



Sem dúvidas, este longa agrada à todos, aos que conhecem a animação e aos que não conhecem também, é uma belíssima história contada de maneira que encanta, diverte e emociona, longe de ser só mais uma atualização tecnológica, esse vai ficar na memória. Parabéns para a Disney que comemora 49 anos do seu menino lobo em grande estilo.

Veja o trailer:

Ah! E para que a experiência seja ainda melhor, recomendo assistir legendado e em 3D.