quinta-feira, 19 de março de 2015

Sob A Pele (Under The Skin, 2014).

Vou começar pelo que me atraiu: Trilha sonora perturbadora + Fotografia fantástica, Scarlett Johansson no papel mais interessante da sua vida, com certeza!


O filme tem pouquíssimos diálogos com muitos ruídos, e cenas abstratas, com cortes súbitos de som e imagem, onde o silêncio chega a incomodar. Esqueça as questões mais simples, o filme não dá respostas, apenas sinta.


Sinopse: Um alienígena (Scarlett Johansson) chega à Terra e começa a percorrer estradas desertas e paisagens vazias em busca de presas humanas. Sua principal arma é sua sexualidade voraz... Mas ao longo do processo, ela descobre uma inesperada porção de humanidade em si mesma.



Nada convencional, um suspense que causa muitas sensações, é um sinistro e sombrio filme que ninguém sabe de onde veio e nem pra onde vai, cenas bizarras e nus frontais dos machos seduzidos em um ritual sombrio. E assim, vamos descobrindo o filme aos poucos, junto com a atraente alienígena.


Aos que querem ver a bela Scarlett nua, grande decepção. Meu conselho: Olhem pelas fotos do Google, na telona não dá pra ver nada assim tão nítido e não há clima no filme para esse tipo de apelação. O filme não veio com este propósito. Eu ouvi muita gente reclamar, já que na época no cinema, pelo menos a sala que eu estava, esteve lotada e a grande maioria saiu de lá sem entender nada, infelizmente, muitos dos que estavam lá, estava apenas pela Scarlett como veio ao mundo. E se for por isso, realmente não vale a pena assistir.

Recomendo pra quem tem a mente aberta. É um filme abstrato e extremamente sensorial. Pode ser um filme cult que acaba de nascer, mas também pode não ser nada disso. Eu adorei!



Até os pôsteres foram muito bem bolados, cada um mais interessante do que o outro. Confira: