segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

O Quarto de Jack (Room, 2016)

Independente do que você já saiba sobre o filme, este é um filme que vale a pena assistir. Digo isso porque, pela sinopse e pelo trailer, já deduzimos o que acontece, mas o mais interessante é que mesmo assim com 15 minutos de filme eu já me sentia presa a poltrona. Dificilmente você não vai se apegar e se emocionar com este drama.





Brie Larson, me chamou a atenção em "Don Jon" (sim, ela é a irmã do protagonista, sua personagem me conquistou com uma fala!), aqui ela Joy, é a mãe de Jack, que está em cárcere privado há 7 anos. A atuação dela é maravilhosa, ela já levou vários prêmios por esta interpretação, emocionante e provavelmente levará o Oscar 2016 de Melhor Atriz. Jack por sua vez é interpretado por Jacob Tremblay, um menino de 5 anos que acredita que o quarto é tudo que existe no mundo, tudo que ele conhece. Jacob tem 9 anos e é brilhante, as emoções que ele passa pra gente não parece ser atuação, é tão verdadeiro que eu não entendi por que ele não está entre os indicados ao Oscar, ele recebeu o Critics' Choice Awards de Melhor Ator Jovem e o Satellite Award de Melhor Ator Revelação.




A direção é interessante, o filme é narrado por Jack e suaviza o terror que na verdade existe por trás daquele mundo criado pela mãe de Jack para que, principalmente por ela, seja suportado aquela situação. A trilha sonora não me chamou muito atenção, já cinematografia do filme é impecável, o quarto como um cativeiro tem tudo em seu lugar e ao longo da trama a gente está lá dentro esbarrando nos objetos de cena. Mas aos olhos de Jack é pura magia, onde ele confunde realidade com realidade, incrivelmente adaptado ao ambiente e poético, mesmo em momentos mais difíceis, para Jack, seu porto seguro.



O filme tem momentos de tensão, com 50 minutos de filme eu estava apavorada, aflita, tão envolvida com a trama, que alguns minutos depois o filme poderia para mim, acabar ali, eu já me daria por satisfeita. Só que não! A gente segue pois o filme tem um roteiro muito bom e ainda há história pra ser contada, e a gente fica preso e continua se emocionando até o final. 



Além de concorrer ao Oscar de Melhor Atriz, o longa também disputa nas categorias de Melhor Filme, de Diretor e de Roteiro AdaptadoRoom (título original) é uma experiência baseada no premiado best-seller de Emma DonoghueForte concorrente. Recomendo para quem gosta do gênero.