quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

A 5ª Onda (The 5th Wave, 2016).

É, não foi o que eu esperava, mas não é tão ruim assim, o problema é que este longa segue uma fórmula já batida em sagas literárias para o público adolescente, que viraram filmes. Pra mim chega!


Na sinopse, a Terra repentinamente sofre uma série de ataques alienígenas. Na primeira onda de ataques, um pulso eletromagnético retira a eletricidade do planeta. Na segunda onda, um tsunami gigantesco mata 40% da população. Na terceira onda, os pássaros passam a transmitir um vírus que mata 97% das pessoas que resistiram aos ataques anteriores. Na quarta onda, os próprios alienígenas se infiltram entre os humanos restantes. Com a proximidade cada vez maior da quinta onda, que promete exterminar de vez a raça humana, a adolescente Cassie Sullivan (Chloe Grace Moretz) precisa proteger seu irmão mais novo e descobrir em quem pode confiar.




O trabalho do diretor é bastante preguiçoso, o filme começa bem nos desenvolvimento dos personagens, nos prepara bem para o que vamos ver, aumenta nossas expectativas e... vai perdendo a qualidade, se tornando previsível, ladeira a baixo. O óbvio é dito em cena, em alto e bom som, muito bem mastigadinho (como se não fossemos capazes de entender o que se passa na tela), e tudo que poderia ser usado para fazer uma boa reviravolta se torna um erro. Com um roteiro fraco e diálogos rasos e cheio dos mais variados clichês visto na história do cinema teen, esse filme talvez só agrade mesmo os fãs da saga de livros.





O filme possui bons efeitos sonoros, já não posso dizer o mesmo dos efeitos visuais, que mais parecem feitos nos anos 90. A trilha sonora é bacana e funciona bem para aumentar a tensão principalmente até a metade de filme. As atuações são medianas, e eu senti que essa história poderia ter sido melhor aproveitada, quando o filme se transforma num tremendo déjà vu de Jogos Vorazes, e deixa para o próximo filme da saga, todas as pontas soltas.





Eu não achei uma tremenda perda de tempo, como ouvi muitos dizer, pois o filme é o que promete, um teen adolescente adaptado de uma saga literária adolescente. Nada mais.