quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Êxodo: Deuses e Reis, 2015.

O filme não é para se criar uma discussão religiosa, é uma ficção, por favor vamos tratá-lo como tal.


Este longa tem uma grande produção, atores consagrados, um grande elenco diga-se de passagem e em ótimas atuações, Ridley Scott, faz um ótimo trabalho, com muitos efeitos visuais, a fotografia arrasa, principalmente no momento da travessia do Mar Vermelho onde o cinza que representa um céu nublado contrasta com o verde do mar, é lindo! Figurino e maquiagem impecáveis, e a trilha sonora digna dos grandes épicos, assim como em "Gladiador". Só que bem menos inspirador.



Essa é uma história bíblica, no entanto, assim como muitas outras, já foi vista, feita e contada muitas vezes, então não há como não compará-la ao filme "Os 10 Mandamentos", por exemplo, e infelizmente perceber que o Moisés de Charlton Heston, foi mais interessante e o filme de Cecil B. DeMille é mais emocionante, mágico e épico.

Cristian Bale, é também um ótimo ator, e não é comparando os atores que digo isso, e sim a forma como é retratado a história e seu protagonista, em "Êxodos" é tudo mais realista e foge um pouco a coisa do bíblico é muito mais político. 



Assim como foi "Noé", de Darren Aronofsky, não cabe aqui dizer que são filmes bíblicos, é se deixar levar pela ficção. Não que "Êxodos" tenha que ser comparado a "Noé", mas pela polêmica de ser comparado ou não ao que está na bíblia, mas são obras completamente diferentes, apenas a fonte de inspiração é algo em comum. Ridley Scott, foi menos ousado que Aronofsky, em sua adaptação, mas os momentos mais esperados como por exemplo a passagem do Mar Vermelho e a entrega das tábuas para Moisés, foram perdidos, sim, porque deveriam ser cenas de maior emoção e passou morno, nos deixando com aquela sensação de que podia ter sido muito melhor.

O longa é mediano e tem pouco a se dizer, não é tudo que eu esperava, mas não chegou a me decepcionar, os 121 minutos de filmes, realmente tem história pra contar, mas falta emoção, surpresa, batalhas épicas... Ficou faltando muita coisa para que este fosse considerado o filme épico do ano, mas não chega a ser um filme ruim, vale a pena conferir. Mas fica a esperança de, quem sabe, Ridley Scott ainda acerta a mão. 



Confiram o trailer: 

Êxodo: Deuses e Reis, ainda está em cartaz nos cinemas brasileiros.