quarta-feira, 12 de abril de 2017

Kong: A Ilha da Caveira (Kong: Skull Island, 2017).

Este é um filme no melhor estilo pipoca ou "Sessão da Tarde" com estilo e prende o espectador. Para quem curte aventura, ação e monstros, desliga a mente que este pode ser uma ótima opção.

A direção é ousada e temos aqui ação com qualidade principalmente no que se diz respeito às cenas de confronto com o King Kong, o monstrão impressiona pela sua imponência e agrada o público, ele tem carisma! Há lutas entre ele e outros monstros que são de tirar o fôlego. Com ângulos precisos e clareza nas cenas de confronto, o ambiente é convincente e o CGi não é dos piores, mas existem cenas que poderiam ter ficado melhores.

Quanto ao dinamismo quando há monstros em ação, o filme é excelente (menos por uma cena que, talvez seja a sequência mais importante do filme, e o diretor exagerou na dose de "magia dos efeitos" e calculou mal deixando um erro de continuidade que com certeza não passou despercebido por muitos), mas também perde qualidade quando o assunto é roteiro e interpretação. Os personagens são muito caricatos e nem o elenco brilhante (diga-se de passagem) foi capaz de salvar. O roteiro é raso e as motivações torna-se banais na maioria das decisões tomadas. Não se trata de má interpretação, e sim de uma falta de profundidade do roteiro, os atores parecem mesmo que estão atuando e não transmitem sinceridade especialmente para Tom Hiddleston, Brie LarsonSamuel L. Jackson. 

Este remake faz parte de uma série de filmes de monstros que a Warner Bros. vai trazer para as telonas, e a cena pós-crédito é a grande chave para respostas e o gancho para a sequência. 95% dos espectadores da sala em que eu estava saíram sem saber o que aconteceu ao final. Para quem curte um bom blockbuster, eu recomendo.

Sinopse: Uma expedição irá revelar a origem de King Kong e os mistérios de seu local de nascimento, a Ilha da Caveira. 


Veja também o primeiro trailer clicando aqui.