segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Verónica, 2017

Uma belíssima fotografia em preto e branco, inicia uma história cheia de furos, mas que prende a atenção do espectador, mesmo que misturando algo comum, numa atmosfera noir e misteriosa já vistos em outros longas como "A Ilha do Medo" e "Cisne Negro", ainda pode surpreender e agradar.

Uma psicóloga decide sair de sua reclusão para aceitar o estranho caso de uma jovem cujo o terapeuta desapareceu misteriosamente. O filme mexicano tem duração de 81 minutos, os primeiros 25 minutos levam um século..., mas depois a gente se vê envolvido naquela trama de suspense psicológico, que dá várias pistas do que realmente está acontecendo, o espectador mais experiente já saberá em que direção o filme quer te levar, mesmo assim, a trama não perde o tempero, sua história é interessante e a direção sabe como nos prender até o final. Enquadramentos diferenciados e a câmera subjuntiva dão pistas e engrandece a trama, os diretores Carlos Algara e Alejandro Martinez-Beltran optam por uma câmera ágil, e isso torna o filme, dentro do possível, mais dinâmico dentro da atmosfera de suspense psicológico de narrativa lenta. 


 A fotografia é preto e branco, os tons de cinza realçam a profundidade das cenas e o contraste necessário para visibilidade plena. É sugerido que o clima seja acinzentado em meio a paisagem que originalmente deveria ser bem verdinha, visto que a locação é em uma área de pinheiros e bastante arborizada. O preto e branco funciona como algo que, a princípio quer dizer que "está tudo sob controle" há um equilíbrio emocional estabelecido, mas ao decorrer da história, quando aprofundamos sobre o conhecimento do mais íntimo, o "eu" das personagens, as cores vem à tona revelando uma outra realidade. As atrizes Arcelia Ramírez (a psicóloga) e Olga Segura (a paciente) entregam, com competência, personagens com muitas camadas que se desenvolvem de maneira bem gradativa.  


Não é um filme memorável, o roteiro tem algumas falhas e/ou facilitações na narrativa que tornariam o filme muito mais interessantes com alguns ajustes. Uma sucessão de reviravoltas finais e nem todas funcionam. Mas é um filme bom com qualidades de cinematografia, efeitos práticos precisos e um final que se não surpreendente (para todos), no mínimo será interessante. Recomendo.