quarta-feira, 20 de julho de 2016

Caça-Fantasmas (Ghostbusters, 2016)

A principio eu não tinha entendido o porquê que este filme estava sendo massacrado pelas redes sociais antes mesmo de alguém assisti-lo, depois eu entendi, machismo. Que coisa feia, preconceito não!



O reboot de Caça-Fantasmas é um longa divertidíssimo, e sua qualidade visual é muito superior ao primeiro de 1984, sim, pois mesmo para aquela época os efeitos visuais eram horrorosos, e eu adorava mesmo assim. É obvio que seria melhor pela tecnologia que temos hoje, mas não é só isso, temos protagonistas que são tão engraçadas quanto qualquer outro caça-fantasma da década de 80, e olha que eu sou uma defensora da década e não engulo remakes e reboots, sempre acho que o melhor é não fazê-los, mas neste caso, eu estava errada.


Este filme é uma grande homenagem aos primeiros filmes, sendo muito melhor que o Caça-Fantasmas 2 em tudo, eu diria, se não fosse pelo peso maior que é a nostalgia, essa sempre pesa bastante. Mas tem muita gente aí aplaudindo reboots de Terminator, Spider-manMad Max, Jurassic Park... e por que não Caça-Fantasmas? Por que são mulheres? Elas são incríveis, vão nos conquistando aos poucos e no final, lá na cena pós-crédito (ah sim, tem uma ótima!) a gente sai do cinema querendo mais.


O roteiro é simples, mas vejamos isto como uma comédia que traz muitas críticas até para os "críticos de internet", haters e afins, (haha, achei ótimo!), Melissa McCarthyKristen WiigKate McKinnonLeslie Jonesótimas no improviso, todas tem seus momentos mais engraçados que arrancou gargalhadas de todos na sala, fazia tempo que eu não me divertia tanto com uma comédia no cinema. 
Na sinopse, uma respeitada professora da Universidade de Columbia, Erin Gilbert (Kristen Wiig) escreveu anos atrás um livro sobre a existência de fantasmas em parceria com a colega Abby Yates (Melissa McCarthy). A obra, que nunca foi levada a sério, é descoberta por seus pares acadêmicos e Erin perde o emprego. Quando Patty Tolan (Leslie Jones), funcionária do metrô de Nova York, presencia estranhos eventos no subterrâneo, Erin, Abby e Jillian Holtzmann (Kate McKinnon) se unem e partem para a ação pela salvação da cidade. Apesar de já conhecermos como funciona, a história é original (independente das histórias anteriores, é um reboot e não um remake), o longa trás inúmeras referências, ao passado (inclusive a participação de atores do elenco original), recheado de surpresas, é maravilhosa a nostalgia que sentimos, o diretor faz um trabalho com muito carinho para quem viveu a época. O CGi é funcional, muito bem aplicado e temos aqui um dos efeitos em 3D mais bacanas de 2016, que me fez pensar que este filme sim, mereceu essa nova versão e soube fazer bem o que muitos só vieram encher de efeitos visuais garganta abaixo, aqui não, aqui nós temos efeitos que funcionam e são essenciais para o desenvolvimento e complemento da história. Há uma ótima cinematografia, a iluminação e o contraste de cores é bem valorizado, fazendo o espectador se sentir dentro da trama.


A trilha sonora é muito boa, e eleva o sentimento de nostalgia, o clima do filme é contagiante, eu fiquei batendo pezinho o filme todo! O longa não tem nada especial, sua narrativa é simples, não há nada revolucionário, e nenhuma reflexão para mudar o mundo, é uma comédia, que as vezes exagera no pastelão, cheio de clichês, mas o que é uma comédia hollywoodiana senão apenas isto? (Pelo menos a maioria delas!) Aqui não seria diferente. Eu não curto comédias, mas realmente eu ri bastante e acredito que as pessoas estão precisando mais disso. Existem filmes para momentos de reflexão e momentos de descontração e este aqui é para momentos de descontração com gostinho de anos 80, eu sou defensora da década e adorei o carinho que este longa deu aos fãs. E que os novos fãs sejam bem-vindos, vi muita gente na sala de cinema que se deixou levar, curtiu e saiu comentando, "quero ver os antigos".



Chis Hemsworth me surpreendeu, não é dos meus atores preferidos, mas ele tem potencial para comédias, e me fez ri bastante mesmo com algumas piadas forçadas, ele rouba a cena quando entra em ação, a integração dele com as meninas é ótima e a química entre eles é muito boa. Enquanto rola os créditos ainda tem um pouquinho dele lá fazendo graças para os poucos que ainda esperavam pela cena pós-crédito. Já falei dela, não? É para os fãs dos anteriores. 
O filme não é maravilhoso, e está longe de ser uma obra-prima dos reboots, a edição é péssima, com cortes de cenas em momentos duvidosos, parece que ficou faltando alguma coisa de um momento para o outro. O excesso de referências chega a atrapalhar, pois é bem naquela hora em que você para de prestar a atenção nos diálogos para relembrar e reviver o momento, mas ainda assim é bom (pareço contraditória, mas quem ver ou viu, vai entender!). Então a minha dica é: Não dê ouvidos as críticas negativas de quem não entende do que está falando, de quem não viu e diz que é ruim, quem viu 15 minutos e saiu do cinema, ou quem viu em casa pela internet naquela imagem "cam.rip.hd.3d..." e disse que os efeitos são ruins e nunca vai ao cinema, geralmente quem diz "lixo", "bosta" não sabe do que está falando, não tem argumentos confiáveis para decidir por você. Minha crítica é uma análise do filme como um todo e não somente uma opinião pessoal, gostando ou não do filme serei sempre justa com vocês, mesmo que discordem da minha opinião, não quero com isso convencer ninguém a nada, apenas tirem suas próprias conclusões. Abram suas mentes, assistam ao filme e divirtam-se!


Veja o trailer: